Câimbras

Câimbras

Dor intensa causada por uma contração muscular súbita, involuntária, dolorosa e não reversível espontaneamente. Essas contrações geralmente ocorrem em membros inferiores e em espasmos, sendo visíveis os músculos e tendões contraídos.

Cerca de 95% da população será acometido por cãibras em algum momento da sua vida, mas são mais comuns em adultos do que em crianças e vão se tornando cada vez mais frequentes conforme o indivíduo envelhece.

As causas mais comuns são:
Uso exagerado da musculatura
Desidratação
Baixas temperaturas
Má circulação
Compressão de raízes nervosas
Carência de sais minerais (potássio, cálcio e magnésio).
Gravidez (normalmente a câimbra é secundária a níveis baixos de magnésio)
Fratura óssea (como autoproteção, os músculos ao redor da lesão se contraem involuntariamente).

Outras causas podem desencadear as câimbras são doenças sistêmicas tais como:
Obesidade,
Diabetes,
Alcoolismo,
Hipotireoidismo,
Doença de Parkinson,
Varizes,
Renais crônicos,
Cirrose hepática,
Falta de complexo B
Anemia.

Alguns medicamentos também podem causar câimbras:
diuréticos,
hipotensores,
broncodilatadores,
redutores de colesterol entre outros.

Existem as câimbras noturnas, que estão presentes em quase 50% das pessoas acima de 50 anos e com frequência, pelo menos, de três vezes por semana.
Elas ocorrem durante o sono e atacam de forma súbita, acometendo principalmente os músculos dos membros inferiores, com contrações que duram de segundos a vários minutos, e são aliviadas por alongamento dos músculos afetados.
A causa para as câimbras noturnas nas pernas costuma ser uma daquelas já descritas, mas em muitos casos ela é idiopática, ou seja, não apresenta causa identificável. São indivíduos que habitualmente têm história familiar de câimbras e que, por mais que se investigue, não conseguimos detectar nenhum tipo de alteração que a justifique.

SAIBA MAIS:
Qualquer músculo de controle voluntário pode apresentar essas contrações, os mais comuns são: panturrilhas, músculos anteriores e posteriores da coxa, pés, mãos, pescoço e abdômen.
A maioria dos indivíduos tem câimbras nas pernas apenas durante a noite, permanecendo livres das contrações involuntárias durante o dia.
Câimbras não têm cura, mas alguns cuidados simples podem prevenir a repetição das crises.
Na maioria das vezes, os episódios dolorosos são ocasionais, duram menos de um minuto e desaparecem espontaneamente.
Realize exercícios de alongamento e se hidrate bem.
Evite excesso de álcool e cafeína, pois ambas são diuréticas e favorecem a desidratação.
Faça uma dieta balanceada rica em frutas e verduras.
A banana é um alimento rico em potássio, mas também contém carboidratos. Além disso, não está provado que ela seja altamente eficaz para prevenir os episódios de câimbras.
Aplicação de calor no local melhora o relaxamento dos músculos.
O lençol deve ficar solto, se ficar preso pode forçar a flexão ou extensão dos pés, favorecendo a ocorrência das contrações involuntárias.
Quando se manifestam nas pernas, o indivíduo deve ficar em pé e colocar o peso sobre a perna acometida, dobrando o joelho para estirar os músculos da batata da perna.
Se não conseguir ficar em pé, deve sentar-se, esticar a perna e puxar os pés para trás com as mãos.
Repouse um pouco e não force a musculatura afetada pelos episódios dolorosos.

Procure seu médico se apresentar episódios recorrentes.


Anemia : Tipos, Diagnósticos e Prenvenção.

Anemia      
 
É a falta de células sanguíneas vermelhas e/ou hemoglobina, ocasionando a redução da transferência de oxigênio realizada pelo sangue para os tecidos.
A Anemia é classificada pelo tamanho da célula vermelha sanguínea: diminuída (microcítica), normal (normocítica) ou aumentada (macrocítica ou megaloblástica).
Microcítica: tipo mais comum de anemia é decorrente de deficiência de ferro, causas bem mais raras são talassemia e hemossiderose.
Normocítica: pode ser causada por perda de sangue aguda, doença crônica ou falha em produzir quantidade suficiente de células vermelhas.
Problemas no renal crônico e no fígado, também causam essa anemia, sendo que no caso renal isso se deve à diminuição da produção do hormônio eritropoietina.
Macrocítica: A causa mais comum é a deficiência de vitamina B12 e/ou ácido fólico, devida à ingestão inadequada ou absorção insuficiente.
A deficiência da B12 produz sintomas neurológicos, já a do ácido fólico geralmente não.
Anemia perniciosa é uma condição auto-imune onde falta ao organismo fator intrínseco necessário para absorver a vitamina B12 dos alimentos.
Cerca de 90% das anemias são causadas pela deficiência de ferro, segundo a Organização Mundial de Saúde, 30% da população mundial é anêmica, sendo que sua prevalência entre as crianças menores de dois anos chega a quase 50%.
Nos EUA, 20% das mulheres pré-menopausa têm anemia por deficiência de ferro, comparadas a somente 2% dos homens, sendo que a principal causa é a perda de sangue durante a menstruação.
O diagnóstico é realizado através de exame de sangue, com uma contagem completa do sangue, que além de mostrar a quantidade de células sanguíneas vermelhas e nível de hemoglobina, também mede o tamanho das células vermelhas, o que é importante para distinguir entre as causas.
O médico também pode decidir pela realização de outros exames de sangue que poderiam identificar a causa da fadiga, como os níveis de glicose, ferretina, função renal e eletrólitos.

Sinais e Sintomas:

Na anemia aguda:
Queda da pressão arterial;
Tontura;
Desmaios subsequentes;
Taquicardia e palpitação;
Sudorese;
Fraqueza generalizada.
Na anemia crônica:
Mucosa descorada;
Palidez;
Fraqueza;
Apatia.

SAIBA MAIS:

Os valores normais para a concentração de hemoglobina sanguínea é de 13g/dL para homens, 12 g /dL para mulheres e 11 g /dL para gestantes e crianças entre 6 meses e 6 anos.
Os sintomas pioram com a atividade física e aumentam quanto menor o nível de hemoglobina.
Alcoolismo pode causar anemia macrocítica.

Os principais tipos de anemia são:
 Anemia da carência de ferro (anemia ferropriva)
 Anemia das carências de vitamina B12 (anemia perniciosa) e de ácido fólico
 Anemia das doenças crônicas

* Anemias por defeitos genéticos:
- anemia falciforme
- talassemias
- esferocitose
- deficiência de glicose-6-fosfato-desidrogenase

* Anemias por destruição periférica aos eritrócitos:
- malária
- anemias hemolíticas auto-imunes
- anemia por fragmentação dos eritrócitos

* Anemias decorrentes de doenças da medula óssea:
- anemia aplásica
- leucemias e tumores na medula

A melhor arma para a prevenção da anemia ferropriva é, sem dúvida, uma alimentação bem variada, rica em alimentos que naturalmente possuem ferro e os enriquecidos ou fortificados com o nutriente.
As melhores fontes naturais de ferro são os alimentos de origem animal – fígado e carne de qualquer animal – por possuírem um tipo de ferro melhor aproveitado pelo nosso organismo.
Entre os alimentos de origem vegetal, destacam-se as leguminosas (feijão, grão-de-bico, fava, lentilha, ervilha), os grãos integrais ou enriquecidos, nozes, castanhas, rapadura, açúcar mascavo e as hortaliças (couve, agrião, taioba, salsa).
Para uma melhor absorção do ferro presente nesses alimentos é recomendado o consumo de alimentos com alto teor de vitamina C como a acerola, abacaxi, goiaba, kiwi, laranja, limão, pimentão, repolho e tomate, na mesma refeição.
O consumo de alguns alimentos deve ser evitado na mesma refeição ou logo após, como o chá, café, pois atrapalham a absorção do ferro.

No caso de sintomas acima procure o seu médico.